sábado, 11 de abril de 1998

12º Dia - Itaperuna-RJ



Itamarajú-BA x Itaperuna-RJ
Distância percorrida: 701 km

Mais um dia de muita estrada. Isso não é bom, ou melhor: não desta forma. Eu já estava totalmente ansioso por chegar e isso é que é preocupante. Mas felizmente tudo correu bem e cheguei em casa "são e salvo".

Foi uma experiência maravilhosa e inesquecível. Cheguei já com vontade de partir novamente. Um dia farei outra e outra e outra viagem assim.


[Dia Anterior]    [Próximo dia]

sexta-feira, 10 de abril de 1998

11º Dia - Itamarajú-BA



Alagoinhas-BA x Itamarajú-BA
Distância percorrida: 830 km

Hoje foi o dia que mais rodei, pois voltei à Porto Seguro só por causa do relógio de pulso que esqueci na pousada e fui lá buscar. Por conta disso andei mais 130 km, e fui dormir em Itamarajú-BA, onde cheguei às 19:00h.
No momento da saída de Alagoinhas

Hoje foi só andar, andar e andar.


quinta-feira, 9 de abril de 1998

10º Dia - Alagoinhas-BA

Neste dia não andei de moto. Saímos de Alagoinhas por volta das 09:40h, eu, André e um outro amigo dele, que nos levaria a Salvador, de carro, pra que eu conhecesse aquela parte tradicional e histórica de Salvador.





Vamos ao Pelorinho, Elevador do Lacerda, Mercado Modelo, Lagoa do Abaeté e outros locais interessantes. Aproveito para conhecer o famoso acarajé, no Mercado Modelo. Gostei muito.


A diversidade da nossa cultura impressiona realmente. Seriam necessários muitos dias para vasculhar mais esta cidade, seu povo e costumes.






Voltamos para Alagoinhas e desta vez vou dormir mais cedo pois estava bem cansado.

Lagoa de Abaeté




quarta-feira, 8 de abril de 1998

9º Dia - Alagoinhas-BA


Aracaju-SE x Alagoinhas-BA

Distância percorrida: 270 km

Pela manhã fui resolver a questão da bagagem. Fui de taxi à rodoviária e consegui, através da empresa São Geraldo, despachar boa parte de minhas "tralhas". Restou basicamente o bauleto com algumas poucas peás de roupa e agasalho de chuva.

Volto para o hotel, arrumo o que restou e às 14:10h estava abastecendo, na saída de Aracaju, e voltando à estrada. 

Neste dia aconteceu algo desagradável e, até hoje não esclarecido (embora tenhamos algumas suspeitas). Era por volta das 15:00h e meu celular toca. Paro à beira da estrada para atender, e era minha mãe, muito nervosa e apreensiva. Ela demorou a acreditar que estava falando comigo mesmo, tudo porque alguém, maldosamente, telefonou pra ela mais cedo, e disse que eu havia sofrido um acidente e estava em estado grave num hospital. Ela desde então tentava contato mas não conseguia. Demorou pra ela se acalmar e acreditar que estava tudo bem comigo.

Chego em Alagoinhas-BA às 18:30h e volto para a casa do André. Vamos para um forró... eita!!!


terça-feira, 7 de abril de 1998

8º Dia - Aracaju-SE


Maceió-AL x Aracaju-SE
Distância percorrida: 270 km

Às 12:30h eu estava em Jatiúca, me despedindo da morena. Não podíamos imaginar o quanto iríamos mudar a vida um do outro. Combinamos de nos falar por telefone nos dias seguintes.

Saio de Maceió às 13:10h e pego um breve sereno mas nem cheguei a colocar a roupa de chuva. Abasteço a moto em São Miguel dos Campos-AL, às 13:50h e depois nova parada em Rosário do Catete-SE, já a cerca de 40 km de Aracaju, às 16:00h.

Retorno ao mesmo hotel onde já havia ficado e resolvo que teria que me livrar do excesso de bagagem. No dia seguinte iria resolver isso.


segunda-feira, 6 de abril de 1998

7º Dia - Maceió-AL

Acordo às 08:00h e vou procurar uma locadora de veículos. Encontro uma na Jatiúca, onde estaciono a moto e saio de carro.


Não cheguei a fazer o passeio às piscinas naturais, mesmo assim valeu

Às 10:00h, conforme combinado, me encontro com a morena. Andamos um pouco mais fora da orla e depois vamos almoçar. Neste dia eu não queria saber de moto... foi uma tarde maravilhosa, e ainda saímos novamente à noite.

Ai que saudade do sol, do céu, do mar de Maceió

Pajuçara... pra ficar na memória


Comecei a pensar se seguia ou não pra Natal no dia seguinte. É que deveria ficar por lá pelo menos uns dois dias, então só começaria a viagem de retorno lá pelo dia 10/04, mas já tinha combinado com o André "Bahia" de passar de novo em Alagoinhas, para que ele fosse comigo à Salvador pra eu conhecer o Pelourinho e adjacências. Isso iria complicar, uma vez que no dia 16 seria aniversário da minha filha e eu gostaria de estar presente.

Em frente ao Hotel Ponta Verde

Depois de muito pensar eu resolvo que iniciaria a volta no dia seguinte.




domingo, 5 de abril de 1998

6º Dia - Maceió-AL




Aracaju-SE x Maceió-AL
Distância percorrida: 270 km

Não acordo tão cedo e saio de Aracaju às 13:30h, e resolvo ir pela BR-101, e no caminho paro logo depois de Propriá-SE, na ponte sobre o rio São Francisco, divisa entre Sergipe e Alagoas. É uma ponte antiga,  com 793 m de comprimento, construída de 21 tramos de aproximadamente 33,4 m e um grande tramo metálico, levadiço, de 91,5 m. Existia na época a intenção de tornar navegável o Rio São Francisco para navios de grande porte, pelo menos até Paulo Afonso ou mesmo além. Era, portanto, exigência básica do edital de concorrência que no projeto estivesse prevista essa possibilidade para futura instalação, o que nunca ocorreu. Entretanto, as fundações e o tramo metálico estão executados tendo em vista a possibilidade de construção de torres metálicas ou de concreto com equipamentos para levantamento do tramo de 91,5 m. As águas do São francisco possuem um tom magnificamente verde.


Entrando o estado de Alagoas vejo inúmeros poços de petróleo com "cavalo de pau" (método de elevação muito comum em poços terrestres). A paisagem começa a mudar, com muitos canaviais e depois muitos coqueiros (mas a estrada litorânea revela mais esta beleza). O mar... azul.

Chego em Maceió às 17:00h e logo me alojo no hotel Verde Mar, bem no início da Pajuçara. Tomo um bom banho e saio para curtir aquela orla maravilhosa. Ando um pouco e resolvo ir ao shopping pois queria assistir "Titanic", que estava em cartaz.

No shopping, num daqueles balcões de vendas, conheço outra morena que me impressiona. Conversa vai, conversa vem, ela começa a me dar as dicas para curtir Maceió. Me fala que à noite fica muito animada em Pajuçara e Ponta Verde, nos inúmeros quiosques da orla. Fala dos restaurantes à beira da lagoa Mandau, das piscinas naturais da Pajuçara, dos passeios de barco, entre outros.

Bom, diante de tantas informações eu consigo marcar com a simpática morena de nos encontrarmos mais tarde, após ela sair do trabalho. Na hora marcada pego ela em casa, na Jatiúca e vamos dar um "ralé". Ficamos por ali mesmo, em Ponta Verde, num movimentado quiosque, com música ao vivo, gente bonita, animada, e sem excessos.

Inicialmente os planos seriam de sair no dia seguinte pela manhã, rumo à Natal, mas... não resisto ao charme daquela morena, e mais: na segunda ela estaria de folga. Combino de apanhá-la às 10:00h, passearmos um pouco (ela me mostrando mais de Maceió), almoçarmos na beira da lagoa, irmos assistir "Titanic"... pronto, Natal vai esperar um pouco mais.

sábado, 4 de abril de 1998

5º Dia - Aracaju-SE




Alagoinhas-BA x Aracaju-SE
Distância percorrida: 280 km

Acordei sem pressa... acho que a cerveja baiana me contagiou. Arrumei as coisas e preparei-me para seguir viagem.

Saio de Alagoinhas com destino à Aracaju-SE, com a orientação de pegar a Linha Verde, estrada mais nova e melhor que a BR-101. Abasteço na saída e logo adiante, alguns quilômetros, paro pra colocar a roupa de chuva. Foi providencial pois caiu um "pé d'água" tão grande que via as carretas deixando a pista para encostar e aguardar. Mas eu, serenamente segui adiante, e logo logo o tempo melhorou um pouco e o restante do percurso foi bem tranquilo.

No caminho, em uma parada para abastecimento, encontrei-me com uma figura muito conhecida, o Sr. Osvaldo, mais conhecido por "Vardinho da Bicicleta". Podem digitar isso no Google e poderão saber mais sobre este baiano de Jequiá-BA.

Vardinho da Bicicleta (pesquisem isso no Google)

A estrada estava sossegada e em estado razoável para bom.

Chegando em Atalaia

Chegando à Aracaju fui "desembocar" direto na praia de Atalaia e me impressionou a extensa faixa de areia, bem clara, e no fundo um monte (mas um monte mesmo) de cadeiras amarelas, já recolhidas devido o avançar da hora. Na via dupla de chegada à Atalaia, na penúltima esquina à esquerda antes da praia, encontro o Sandrim Praia Hotel, onde acerto minha hospedagem. Ainda saio para uma caminhada à pé, mas volto logo e priorizo o descanso.




sexta-feira, 3 de abril de 1998

4º Dia - Alagoinhas




Salvador-BA x Alagoinhas-BA
Distância percorrida: 120 km

Tomei o café da manhã e ainda saí prá dar uma volta por Salvador. Lembro-me de ter passado numa revenda Suzuki e avistado, assim ao alto, no salão, toda "se exibindo", uma DR-800 preta. Não resisti e fui ver de perto. Era a primeira vez que via uma "ao vivo" e fiquei impressionado com o jeito aventureira, o porte imponente... cheguei a trocar idéia com o vendedor e deu vontade de fazer uma besteira e deixar a Sahara por ali mesmo, e voltar de DR. Mas seria loucura demais e então resisti bravamente à tentação e me despedi dela... não queria repetir a experiência com a policial de Itabuna e por isso tratei logo de pensar em outras coisas.

Na frente do hotel em Salvador-BA, na hora da saída

Como alguma coisa, arrumo a bagagem e me preparo para "caír" na estrada, desta vez em direção a Alagoinhas, onde visitaria um companheiro de trabalho, o André "Bahia".  Saio de Salvador às 15:50h e no caminho dou uma parada ao lado do pólo petroquímico de Camaçari para uma foto. Quando chego em Alagoinhas o André me recebe em sua casa, faço um belo lanche, conversamos bastante, descanso um pouquinho e saímos pra eu conhecer a noite em Alagoinhas. Passamos em alguns lugares e a turma sempre animada, cheia de disposição e alegre. Nem parece os mesmos baianos  que durnte o dia são "devagar quase parando"...rsrs.




quinta-feira, 2 de abril de 1998

3º Dia - Salvador-BA



Porto Seguro-BA x Salvador-BA
Distância percorrida:
 723 km

Pela manhã acordei e saí logo após o café. Às 09:00h já estava abastecendo a 170km adiante, próximo a Mascote. Cheguei em Itabuna ao meio dia, abasteci a moto, e fui procurar uma agência do Banco do Brasil. Quando encontrei e a fila era grande e o atendimento lennnnnnnto...bem ao jeito baiano. Perdi muito tempo ali, e por fim desisti e parti para tentar noutro lugar.

Saindo de Itabuna pedi orientação a uma policial e nem sei o que ela me respondeu. Era uma morena bonita, com lábios carnudos e vermelhos. Eu estava acostumado a ver policiais femininas apenas em Muriaé-MG, e eram todas "horríveis de feia".

Cheguei em Ubaitaba, onde achei logo uma outra agência e desta vez consegui resolver logo o que precisava. Fui procurar um lugar para almoçar e encontrei uma espécie de restaurante que funciona num vagão. Fui servir meu prato mas tive dificuldade por causa dos nomes dos pratos... jabá, macaxeira, e companhia. Melhor assim... é melhor não encher muito o estômago.

Volto para a estrada e volto também a pensar na policial de Itabuna. "Viajei" de tal forma que passei direto por Ibirapitanga, onde deveria deixar a BR-101 e pegar a BA-650 em direção a Camamu. Rodei 65 km até me dar conta de que tinha passado do ponto. Voltei e aproveitei para abastecer em Ibirapitanga, isso já às 14:40h. Ah... morena!!!!

A estrada agora é mais tranquila que a BR, apesar de mais sinuosa. Duas horas depois chego em Valença, e paro para mais um abastecimento. Uma frentista queria que eu votasse mais tarde para buscá-la para uma voltinha. Não foi dessa vez, loirinha...

Foto do Hotel Praia Porto da Barra, em dezembro de 2011

Vou me aproximando de Salvador e nem vi como entrei na ilha de Itaparica. Chego à estação do Ferry Boat às 18:30h e consigo logo embarcar. Logo estou desembarcando do outro lado e vou até a Barra, onde encontro o Hotel Praia Porto da Barra.

Após um bom banho vou andar (de moto) pela orla e jantar.

quarta-feira, 1 de abril de 1998

2º Dia - Porto Seguro-BA



Pedro Canário-ES x Porto Seguro-BA
Distância percorrida:
 371 km

Acordei cedo e às 07:00h já estava abastecendo a moto para seguir meu caminho. Cerca de 20 km adiante chego na divisa de estado e paro para uma foto. Minha primeira vez na Bahia...tinha que registrar.

Divisa de estado ES x BA

A estrada estava tranquila e pude seguir sem qualquer problema, apenas redobrando a atenção nas passagens por caminhões pois a Sahara balançava um pouco, e fui me habituando a isso, inclusive a me posicionar melhor nestes momentos.

Comendo um bobó de camarão

Às 09:40h estava abastecendo próximo ao Parque Nacional de Monte Pascoal, num posto na própria BR-101. Chegando em Eunápolis, tomei a direção de Porto Seguro, saindo da BR-101 à direita. Logo adiante, também à direita, uma concessionária Honda, onde fiz uma parada para troca de óleo.

Na frente da pousada

Após o atendimento segui finalmente rumo à Porto Seguro, onde cheguei às 13:50h. Fui seguindo até que encontrei uma pousadinha (tenho um cartão de lá até hoje e assim que encontrar coloco o nome aqui), ao lado do "Beco" e próximo da Praça da Bandeira.

Relógio dos 500 anos

Dei uma volta pela cidade, fui comer um bobó de camarão (apimentado, naturalmente) e depois voltei para a pousada para dar uma descansada.


Saí à tarde para rodar de moto e fui até Santa Cruz de Cabrália, vislumbrando um belo litoral.


À noite sai e fui na "Passarela do Álcool"... uma loucura!!! Mas fiquei pouco, pois além de não ser muito a "minha praia", também tinha intenção de sair cedo no dia seguinte.








terça-feira, 31 de março de 1998

1º Dia - Pedro Canário-ES



Itaperuna-RJ x Pedro Canário-ES
Distância percorrida: 553 km

O roteiro foi preparado durante meu embarque, apenas trocando informações com os companheiros André, de Alagoinhas-BA, e outros quatro de Natal-RN (João Bezerra, Samuel, Celso e Francisco).

Arrumei minha bagagem e, como "marinheiro de primeira viagem" acabei colocando muito mais coisas do que realmente precisaria. Estava com um bauleto (acho que fui o primeiro a usar um em minha cidade), uma mochila, e mais uma bolsa de viagem que não tinha a menor afinidade com uma moto, tanto em tamanho quanto em formato (pra terem uma idéia, tive que levar um tubo de ferro por baixo dela, para permitir que ela ficasse sobre o banco).

Carlinhos e Emily

Despedi-me em casa e passei na residência do casal de amigos Carlinhos & Márcia, muito queridos por tudo que representaram pra mim naqueles anos tão difíceis. Saí dali por volta das 10:00h... lá ia eu, começando a realizar um sonho antigo.

Marcinha e Emily

Minha primeira parada foi em Piúma-ES, às 14:50h, onde abasteci a moto, e dali segui para Guarapari, com parada  para meu abastecimento, saboreando uma empada de camarão e um bolinho de bacalhau, na Praia das Castanheiras.

Saindo de Guarapari fui direto até Linhares-ES, com nova parada para abastecer a moto, às 17:00h. Continuo pois pretendia ir até Teixeira de Freitas-BA. Mas anoiteceu e achei mais prudente pernoitar em Pedro Canário, última cidade ao norte do Espírito Santo, onde cheguei às 18:50h. Encontrei logo o Hotel Planalto, à margem esquerda da estrada, onde fiquei, cansado mas feliz... muito feliz.



Nordeste 1998


SAÍDA: 31/03/1998 (terça)
CHEGADA: 11/04/1998 (sábado)
DURAÇÃO: 12 dias
DISTÂNCIA PERCORRIDA: 4.699 km
PARTICIPANTES: Somente eu mesmo
MOTO: Honda NX350 Sahara 1997

Posso dizer que a idéia de fazer uma longa viagem de moto surgiu em minha mente em 1994, e na ocasião cheguei a trocar uma Honda CB150 Aero por uma CB450DX pensando na reaização da mesma.

Mas aquele foi um ano muito conturbado para mim, assim como os três seguintes. Em 97 consegui "respirar" um pouco e após ter comprado uma Honda NX350 Sahara "zerada", já em agosto, voltei a pensar na idéia, e como trabalhava com vários amigos do nordeste, isso foi aguçando meu desejo de ir por aquelas bandas.

Após realizar meu embarque em março já voltei pra casa determinado a partir. Inicialmente a proposta era ir até Natal-RN, o que acabou não acontecendo por razões que explicarei adiante.

Não tenho muitas fotos, embora tenha voltado com uma quantidade considerável, mas elas não estavam digitalizadas e foram desaparecendo. Ainda tenho a esperança de encontrar mais guardadas para postar.