domingo, 8 de maio de 2011

Andar de moto é especial

Já citei aqui alguns trechos de um blog que muito tem me inspirado (http://blog.fabiomagnani.com). O que mais me impressiona é o quanto me parece familiar o que o cara escreve sobre motos, sobre o gosto de andar de moto, sobre o gosto pelas estradas, pelo caminho.

Ele é, antes de tudo, um estudioso que se aprofundou em conhecer os sentimentos que envolvem um motociclista, motoqueiro... ah, não importa o adjetivo (tem gente que não aceita ser chamado de “motoqueiro”). 


Ele conta que quando decidiu possuir uma moto, não conhecendo ninguém que tivesse uma, resolveu ler livros a respeito. Leu duas publicações estrangeiras: uma sobre pilotagem e outra sobre manutenção. Mas o que chamou sua atenção foi que o ponto comum e marcante nos dois casos não era a técnica, mas sim que
os dois autores gostavam de lavar a moto nos sábados e dar uma voltinha de 400 milhas no domingo pela manhã, sem necessariamente ir a lugares bonitos, sem comer, sem nada demais. Só pela estrada
Outro ponto comum? Nenhum deles era um profissional do motociclismo. Eram amadores mesmo.

Agora tem um trecho que é minha cara, sem acrescentar nem tirar, pois retrata fielmente meu gosto e impressão sobre motos:


“Mesmo com o passar do tempo, com a chegada dos amigos reais, com a compra da moto real; para mim, essa estória toda de andar de moto sempre foi pela mesma razão, que é a que segue. Um carinha qualquer sem habilidade nenhuma acorda pela manhã, liga a sua moto e fica 6-8-10-12 horas em sua moto. Quando volta para casa não tem muito que contar sobre onde parou, o que comeu e o que conheceu. E dentro da sua cabeça só um pensamento: 

eu daria tudo para estender 1000 vezes esse dia, para acordar todos os dias fazendo exatamente a mesma coisa.
Só isso! Não consigo entender o gosto pelas grandes velocidades, não consigo entender o gosto pelos motoencontros, não consigo entender o gosto por visitar pontos turísticos. Não estou criticando quem gosta não! Só não entendo. Entendo apenas o que é tentar atingir a harmonia em cima de uma moto. Só isso!

Quando alguém compara a tecnologia, a potência, o peso, o tamanho e a utilidade de um Uno Mille e de uma XT660, fica abismado como podem custar a mesma coisa. Como pode uma moto mirrada daquela – que só tem o motor e mais nada – custar a mesma coisa que um carro que te protege da chuva, do vento, do sol, de batidas, de assaltos, leva 4 pessoas, transporta compras etc? Mas, quando outra pessoa vê a sensação de liberdade, a aceleração, o prazer e o estilo, então, ao contrário, fica abismado 

como um carro tão sem graça pode custar tanto quanto uma maravilha em duas rodas que pode ser a expressão de uma vida. 
Eu posso ser bobo mas, por pior que seja do ponto de vista financeiro, eu não consigo achar alto o preço da moto. Quando eu fico imaginando como a minha vida seria sem graça com um carro, acho que a moto custa é pouco!

Pode até ser coisa de maluco, mas eu tenho o costume de conversar com a minha moto durante as viagens. Conversa mesmo, nos dois sentidos! Bem, ouvir a moto acho que é até natural. Todo motociclista fica prestando atenção no que a moto está dizendo. Se está com alguma peça batendo, se está com o motor engasgando ou com um ronco diferente. Mas, além de ouvir, eu também falo com ela. Converso sobre o nosso destino do dia, mostro algum lugar bonito no horizonte, conto uma história sem importância e até dou um tapinha no tanque dela depois que conseguimos passar por algum desafio. Dependendo do dia, até faço uma cantoria para ela. Um psicanalista diria que estou fazendo uma projeção (ou seria uma transferência?), que no fundo eu estou falando com o meu eu interior. Um lógico diria que estou sendo irracional, pois a motocicleta não tem sensores de som. Um religioso diria que estou falando com algum deus da ordem, pedindo proteção contra o caos. Talvez o motociclismo seja a procura da união da ordem (projeto mecânico) e do caos (a vida com seus riscos e acasos). Não o domínio de um sobre o outro, mas a união mesmo. E eu, que não vejo as quebras como eventos necessariamente ruins e também não tenho nada contra o caos ou a ordem, não teria nada a pedir. Só vou conversando mesmo, como se fosse uma velha amiga…

É claro que andar de moto tem um lado bom e outro ruim. Se fosse só bom, todos andariam; se fosse só ruim, não venderiam nem uma moto sequer. O lado ruim é fácil falar. Todo motociclista ouve a lista todos os dias: a moto é perigosa, barulhenta, de baixo poder de revenda, fácil de ser roubada, pouca capacidade de carga, traz consigo o estigma da marginalidade e inevitavelmente suja os seus passageiros. Concordo com tudo. Mas a questão é que as vantagens superam os pontos negativos. O ponto mais fácil de rebater é esse negócio de que você se suja muito quando anda de moto. Ou então, que tem que ficar colocando e tirando a capa toda vez que muda o clima. 

Andar de moto é como fazer amor: você tem que tirar a roupa para depois colocar de novo, fica todo suado, cansado e sujo. Mas vale a pena!
 
Mas agora falando sério – bem, eu estava falando sério antes sobre fazer amor -, não tenho a intenção de proselitismo. Sei muito bem que para algumas pessoas não vale a pena andar de moto. Não quero convencer ninguém. Só quero dizer porque eu ando de moto. A razão mais pragmática da moto é a acessibilidade. Você estaciona em qualquer lugar, anda na terra, em buracos e no meio do trânsito. Vai para lugares onde os carros não vão. Vai até pertinho do mar, sobe em montanhas e entra no quintal das pessoas para tomar água. Mas acho que há coisas bem mais importantes que isso. No silêncio do seu capacete, você fica em contato com o seu mundo interior. Sozinho na estrada, tornado irreconhecível pela vestimenta, não há nada a provar para ninguém. Você pode rir sozinho, cantar desafinado, pensar nas mais loucas fantasias ou, acima de tudo, aprender a conviver com você. Lá não há como se proteger de você mesmo usando estímulos externos como a TV, a companhia de outras pessoas ou o trabalho incessante. É você e você, goste do que está vendo ou não!

 
Paradoxalmente, a moto é o local onde você também tem um contato muito forte com o mundo externo. Mas não o mundo artificial da sociedade, com suas cobranças e expectativas. 

O piloto tem contato com o vento, os raios solares, a visão do horizonte, o cheiro do mato, o calor do asfalto, com as forças da gravidade e da inércia. Essa experiência direta com o mundo real, junto com o contato com o eu verdadeiro, é que faz com que a experiência de andar de moto seja viciante. 
O que pode ser perigoso. Andar de moto não deve ser usado para escapar do mundo do dia-a-dia. Andar de moto tem que ser um aprendizado para mudar o mundo. Isso tanto através do autoconhecimento, quanto da visão do mundo real, sem os filtros sociais.”

[ Início

 

4 comentários:

  1. Acho que nunca haverá palavras suficientes para explicar todo esse prazer que sentimos, mas vc chegou beeeeem perto rsrs parabéns!!! Excelente texto!!!

    Quer ler a parte mais engraçada? Poucas pessoas vão se identificar tanto com o texto como eu kkkk ele foi publicado dia 8 de maio, justamente a data do meu aniversário kkkkk então algo tão sincero como essas palavras e a minha "experiência" adquirida a cada km, realmente andam lado a lado rsrs

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado Noellen, e você também expressa muito bem este mesmo sentimento, como pude ver em seu blog (www.rumoaossonhos.com.br), Esta é a parte mais engraçada???? Então vou te contar outra: eu nasci no dia 07 de maio!!!!!! kkkkk...
    Sério!!!! Agora ficou mais fáil entender toda essa nossa afinidade comum por andar de moto.

    ResponderExcluir
  3. Caraca... Simplesmente falou tudo... Blog maravilhoso. Parabéns...

    ResponderExcluir
  4. Elton, será difícil eu esquecer esse post rsrs

    E andar de moto pra mim continua sendo muito especial, a cada viagem, a cada km... percebo que realmente é "um aprendizado para mudar o mundo. Isso tanto através do autoconhecimento, quanto da visão do mundo real, sem os filtros sociais."

    Obrigada por ter lembrado rsrs feliz coincidência mesmo rsrs

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e comentários.