segunda-feira, 14 de novembro de 2011

17º Dia - Moquegua-PER




Arica-CHI x Moquegua-PER
Distância percorrida:
 280 km

Hoje é segunda feira e pergunto na recepção do hotel onde poderíamos encontrar uma ótica, pra tentar um reparo mais "decente" nos meus óculos. A senhora me informa que seria melhor que eu procurasse em Tacna, que seria justamente a próxima cidade, a partir dali. Ótimo, assim, após um rápido café, às 08:20h estávamos abastecendo as motos para partir.

Preferencialmente Petrobras
Mais uma vez, o grande pneu, com o posto BR ao fundo

Neste instante já me preocupava pois estávamos nos rendendo demais ao cansaço e ficando mais tempo que o planejado, em alguns lugares. Isso comprometia o final, principalmente se tivéssemos algum problema que, de fato, nos fizesse perder tempo, Eu tinha que voltar a tempo de embarcar, e isso me preocupava.

Ao fundo já podemos ver a aduana de saída do Chile

Chegamos à aduana chilena


Cerca de 15 km de estrada, às 09:00h, chegávamos à aduana de saída do Chile. Aqui fomos rapidamente atendidos, com gentileza e presteza. Sentiremos saudades do Chile.

Saíndo do Chile

Entrando no Peru


Mais uns 600 metros e entramos na aduana peruana,. E se até aqui sempre passamos por todas as aduanas com rapidez e sem nenhum problema, aqui as coisas mudaram. Muita gente, mas nada exagerado, mas o pior de tudo é a desinformação. Nos mandaram entrar numa fila, depois disseram que tínhamos que ter um formulário, só que o mesmo não seria fornecido, teríamos que comprá-lo. Subimos pra falar com "não sei quem", que simplesmente destacou umas folhas, que nitidamente deveriam ser gratuitas, mas pelas quais tivemos que pagar. Uma sacanagem, mas... reclamar nos traria mais problema do que aquilo, por si só.

Chegando à aduana peruana

Cada hora uma fila diferente


Voltamos para a fila, depois tivemos que entrar em outra, pra um despachante olhar as motos, fingir que fazia alguma coisa, só bater um carimbo num pedaço de papel, e nos liberar. Acho que era mais um ponto de extorsão, mas que fomos poupados pelo responsável (ou irresponsável). Acabou??? Ainda não!! Mais uma fila pra olhar o tal papel carimbado... muita enrolação. Na Argentina foi fácil entrar e fácil sair. No Chile, a mesma coisa, mas no Peru foi ridícula. Uma impressão negativa.

Anna Paula desolada com a enrolação

Passamos longe dessa sala... rsrsrs

Bela dianteira...

... bela traseira.


Paramos em Tacna, uma cidade de porte razoável para aquela região, e de cara achei que seria difícil encontrar uma ótica razoável... talvez só existisse uma única, a qual eu teria que me render, por falta de opção. Pedi informação a um motociclista que não entendia o que eu queria dizer, até que apontei para meu rosto, mais precisamente para a fita que se destacava sobre meu nariz. Ele deu-nos a dica para chegarmos a uma praça onde disse que encontraríamos o que procurávamos.

Zona Franca na chegada de Tacna

Chegando à "praça das óticas"

Lu aguardando o reparo dos meus óculos

Ótica Machu Picchu, entre tantas outras


Para surpresa geral, chegamos a uma região bem mais ordenada e... a praça. Ali estava... e, inacreditável: nunca vi tantas óticas num só lugar. Eram muitas... muitas mesmo. Nem perdemos muito tempo pois uma das primeiras nos pareceu confiável e tinha o nome bastante sugestivo: Machu Pitchu. Aguardamos por uns quinze minutos e lá veio o rapaz, com meus óculos devidamente soldado. Tá certo que o eixo foi para o espaço, mas ficou bem melhor do que com a fita.

Aproximando da aduana Tomasiri

Passando em frente ao Fuerte Arica


Almoçamos por ali mesmo e seguimos para Moquegua, onde chegamos às 16:00h. A velocidade média até aqui já é bem menor pois é subida sempre e muitas curvas. Sabia que daí para frente seria ainda mais lento, logo não adiantaria tentar seguir adiante, já que a próxima parada seria em Puno.

Olhar para o horizonte é perceber que quanto mais se anda...

... mais se tem a andar.


Tentamos o primeiro hotel mas não foi aprovado. Parti para um que tinha como referência (El Mirador), que fica num planalto onde está localizado também o aeroporto, mas não haviam vagas. Ali mesmo nos indicaram o Colonial, que podia ser visto dali mesmo, bem de frente ao estádio "25 de Noviembro".

Chegando à Moquegua-PER

Clube XT600, BigTrails e Egea, entre outros que já passaram por aqui


Conseguimos um quarto agradável, garagem, água quente e bom atendimento. Do hall do terceiro andar, onde ficamos, olhando pela janela, tínhamos completa visão do estádio de futebol.






Eram 18:20h quando saímos paradar uma volta pois ainda estava totalmente claro, como dia. Já havíamos percebido grande movimentação pelas ruas, e no hotel acabamos descobrindo que aquela semana era toda festiva, me parece que pelo aniversário da cidade.




Estavam ocorrendo desfiles típicos, com muita gente nas ruas, algo bem legal. Aguardamos o encerramento destes para enfim sairmos em busca de uma pizza com "Inca Kola". Lanchamos e retornamos para o hotel.


<< ANTERIOR         |     INÍCIO    |         PRÓXIMA >>

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por sua visita e comentários.