sábado, 29 de outubro de 2011

1º Dia: Nazaré Paulista-SP



Itaperuna-RJ x Nazaré Paulista-SP
Distância percorrida:
623,19 km

No sábado, dia da saída, eu simplesmente não dormi nem um minuto sequer. Fiquei durante toda a noite checando coisas, arrumando um e outro detalhe (inclusive este blog). Quem trabalha comigo sabe como fico no último dia de todos os meus embarques: também viro a noite acordado… é ansiedade acima de tudo.

Despedida em casa, com minha mãe, o pequeno Rillion e Matheus
Despertei a turma às 07:00h para terminarmos a arrumação e partir. Às 08:00h eu já os apressava, mas sabem como é… saímos de casa às 08:30h e já na primeira esquina a primeira surpresa: “volta, volta!!!”. Era a Lu, dizendo que esquecera o documento da Fazer (e olha que fiz um check list onde tudo foi dado como ok).

Na Yamaha, com Osana e Dani

Ao retornarmos, nos deparamos com uma cena de cortar o coração: o Rillion (sete anos), que se despedira de nós com naturalidade, agora estava em prantos. Fica firme aí filhinho, vamos só dar uma “voltinha” e já voltamos. Prá você e Matheus um enorme beijo… amamos vocês.

Passamos na Yamaha para pegar alguns sobressalentes quando conhecemos o Hugo, do Portal Itaperuna, que nos deu algumas dicas (ele é argentino), tiramos algumas fotos e tchau, tchau.

Com o argentino Hugo, que conhecemos naquele momento

Nossos agradecimentos ao pessoal da Yamaha (Moto Peças Almir), desde o Junior (gerente), à Dani, ao Márcio, e aos meninos da oficina pelo “apronte” das motos… ah: também ao pessoal das vendas, Osana, Carlos Henrique, e… caramba… fugiu o nome da outra menina… Valeu gente!!!

Em 1998, com Marcinha e Emilly
Passamos no Nando Moto Peças, pegamos mais duas capas de chuva, arrumamos na bagagem, checamos mais algumas coisas... a ansiedade aumenta... chegou... agora chegou mesmo a hora.

Eu já havia pensado muito nisso e sabia que a coisa mais difícil nesta (ou qualquer outra) viagem seria partir. E naquele instante, já havíamos vencido tudo... estávamos prontos... e partindo... ou melhor: quase!!

Tal como em 1998 quando eu saí pela primeira vez pra uma grande viagem (Nordeste 98), passamos na casa do casal querido e amigo, Carlinhos & Márcia, para tirar a foto do “antes e depois”. Procurei refazer o mesmo ângulo mas não deu muito certo... mas ficou bom.

Agora, em 2011... a turma cresceu em tamanho e número
Nesta de agora, o mesmo palco, mesmo cenário, mesmos atores... e novos atores: desta vez aparece a Evellyn (que nem era nascida naquela ocasião), e a minha turma aumentou também. A Emilly, na nova foto já aparece maior que a Marcinha. Que sensação maravilhosa!!!

Tiradas as fotos, às 10:05h partimos de verdade. Acreditem ou não mas foi justamente às 10:00h que saí da casa deles em 1998, depois de tirar algumas fotos.
Confesso que os primeiros quilômetros sempre são prá mim de muita observação. Fico avaliando as motos… pneus, bagagem… etc. Mas estranhei uma coisa: não deu aquele “tchan” de estar finalmente “indo para Machu Picchu”. Mas não me preocupei… sabia que em algum momento isso ia acontecer. E foi até próximo de Além Paraíba-MG, meio que sem “forte emoção”, mas a partir daí não teve jeito e passei a ser acometido repetida e repentinamente por um extase que me levava a bradar dentro do capacete, com o punho esquerdo erguido: uruuuuuuu!!!!!

Com os companheiros do PortalBigTrails, em Três Rios-RJ
Nossa primeira parada foi Três Rios-RJ, às 13:40h, onde encontramos alguns amigos do Portal Bigtrails que sairam do Rio prá almoçar conosco. Erramos a entrada, voltamos… acertamos, andamos por uma estradinha de terra até chegar no ponto de encontro. Almoçamos por lá ouvindo histórias de motociclistas, dicas e etc. Foi muito legal… todos novos amigos… não conhecíamos nenhum deles no real, e apenas alguns no virtual.

Foi muito bom, mas tínhamos que partir
Nosso agradecimento ao pessoal do Portal BigTrails

Lembro-me agora de alguns nomes (Frank, Rayol, Leandro e esposa, Fábio, Bruno, Herbert, Vitão, Mandarino… será que esqueci alguém??? pô desculpa aê). Ficamos muito contentes com a iniciativa dos companheiros e mais ainda em poder conhecê-los. Um grande abraço a vocês todos pela força, pelas dicas, e pela amizade.

Com Herbert, administrador do Portal BigTrails
Saímos de Três Rios às 14:50h

De tão bom que estava acabamos nos atrasando um pouco ali. às 15:25h pegamos a estrada de novo. Infelizmente anoiteceu e ainda estávamos na estrada.

Às 19:55h paramos em Queluz para abastecer as motos. Muito movimento na Dutra. Às 21:15h novo abastecimento, agora em Aparecida do Norte. às 22:00h passamos por Taubaté e pensamos em ir somente até São José dos Campos, onde já chegamos por volta das 22:30h e começando a chover. Nos perdemos ali por dentro e não encontrávamos um lugar legal (BBB… bom, bonito e barato) prá ficar. Aliás, encontramos um sim… talvez não tivesse os três “bês” mas naquele momento o que precisávamos era de uma cama e um chuveiro quente. Mas ao entrarmos no quarto prá conhecer a Anna Paula sussura prá mim: “Pai…” e aponta para o teto. Não entendi e perguntei: “o que foi?” Ela insistia em apontar para o teto… “pai, cadê o ar condicionado?”. Realmente não tinha, mas numa noite fria, depois de tomar uns bons pingos de chuva, pergunto: pra quê ar condicionado?

Uma das paradas no primeiro para "esticar as pernas"

Eram 23:15h e decidimos voltar prá estrada e parar no primeiro motel que encontrássemos e adivinhem o que aconteceu??? Tchan, tchan,tchan, tchan… Primeiro começou a chover torrencialmente… depois sumiram todas as saídas da pista e não pudemos vestir as capas de chuva… não apareceu nenhum motel… nenhum posto de combustível. Chegamos à rodovia Dom Pedro, que era a nossa esperança, mas o pior ainda estava por vir: simplesmente não há NADA, absolutamente nada nesta rodovia até Igaratá. Sendo que em Igaratá não há nada também (além de um amontoado de pessoas em uns três barzinhos, onde ninguém sabia dar uma informação decente… não sabiam qual era o local mais próximo, se tinha alguma pousada, se tinha outro posto de combustível, e quando encontramos uma pousada a mesma estava lotada). O que fazer então? Seguir adiante.

Minha moto entra na reserva… paramos num pedágio… fomos informados de que o próximo posto ficava a trinta quilômetros, em Nazaré Paulista. Vamos em frente… agora além de molhados (totalmente), cansados e congelados, ainda estávamos quicando de raiva por não encontrar nem uma beiradinha de telhado prá parar um pouco. Mas faz parte… quem gosta de viajar de moto sabe disso.

Chegamos em Igaratá à 00:25h e lá ninguém soube dar informação. Não sabiam se tinha hotel na cidade, se tinha posto de combustível… conseguimos encontrar um hotel mas não tinha vagas.

Seguimos paraNazaré, onde chegamos  às 02:00h, pegamos um subidão desesperados, sem saber onde ia chegar. Acho que a idéia naquele instante era ir o mais alto possível e quem sabe ficar acima das nuvens… e da chuva.

Deus sabe o que faz: não passamos das nuvens mas caímos certinho na Pousada Rondon… maravilha, um quarto para os quatro, caminha quente, chuveiro quente… muito bom. O descanso merecido.

Estamos ÓTIMOS e felizes. Ah: e com muita disposição AINDA (prá quem não acreditava nisso).

Um beijo grande aos filhos que ficaram (Matheus e Rillion), aos familiares queridos, e aos amigos que estão nos acompanhando e torcendo para que dê tudo certo.

Dois vão... dois ficam
Wellington, Anna Paula, Osana e Lu, na Yamaha Itaperuna
Wellington se despedindo da namorada (Amanda)
Saindo da Yamaha, às 09:14h
Carlinhos e Marcinha, amigos para sempre
Almoço em Três Rios
Parada em trecho em obras
Trecho em obras, logo depois de Três Rios-RJ
A estrada estava bem tranquila naquele sábado à tarde

Coisa boa é estrada... e andar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por sua visita e comentários.